Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Ultimas Atualizações
2 ANO "A"  (18-08-2017)
9 ANO "A" - "B" - "C"  (17-08-2017)
PROJETO PLANETA MENALTOR  (17-08-2017)
GEOPENSAMENTOS  (17-08-2017)
ENQUETE
Qual turma mais acessa este site?
7o Ano 'B' - Polivalente
7os Anos
9os Anos
1o Ano 'A'
2o Ano 'A'
3o Ano 'A'
1o Ano Integrado 'A'
2o Ano Integrado 'A'
Ver Resultados




ONLINE
1





Partilhe este Site...

 

 

 

 

 

 

 

 Logomarca Bonito HI Hostel - Albergue da Juventude

  

     

 

 

 

 

 

 

 

 

   

PENSAMENTOS GEOGRÁFICOS do PIBIDIANO DE GEOGRAFIA JÚNIOR CESAR 

 

"Pra você que faz cara feia quando eu digo que faço GEOGRAFIA ou solta um "Hum, que legal" extremamente irônico...

Só tenho a dizer que a amplicidade dessa ciência me torna a cada dia uma pessoa melhor e aumenta ainda mais o meu amor pelas diversas Geografias que rodeiam a todos. ...   Minha graduação me permite ousar a te falar um pouco sobre o universo ou da formação da Terra. Posso te explanar sobre a dicotomia do urbano X rural ou te fazer me odiar falando de política.   Posso ainda demonstrar como a dispersão dos biomas estão intimamente ligados à composição do solo, ao clima e dentre outros fatores.   Posso te ensinar a diferença de clima e tempo e te fazer perceber o quanto é engraçado quando você diz "Como está o clima hoje?" e te aborrecer falando de economia ou dos males do capitalismo.   Posso mostrar rochas, minerais e o dinamismo das formas e estruturas do relevo.   Posso ainda, descobrir contigo outras cidades, estados, países e continentes, e outros planetas também!   Conto histórias também, do PR, do Brasil e do mundo e quebro a cabeça com problemas matemáticos da nossa amiga Cartografia.   Questiono os problemas da educação geográfica e modifico meu modo de ensinar, para despertar a busca sagaz em aprender Geografia.   São tantas ciências que a Geografia engloba, que posso ter me esquecido de algo que está ao meu domínio. Mas é isso, não existe uma ciência melhor do que a outra, mas se existisse, a Geografia seria uma forte candidata!   A Geografia mexeu comigo e me fez amá-la incondicionalmente.   Enfim, a Geografia é uma mãe que te acolhe e te faz refletir, questionar e propor soluções para o mundo. Ela está em toda parte, até mesmo dentro de você."

 

 

 

 

 

 

 


UMA OUTRA EDUCAÇÃO É POSSÍVEL?



 


 

 

 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

 

Resultado de imagem para leitura 

O que você prefere ler no seu tempo livre: listas engraçadinhas na internet ou textos filosóficos? De acordo com um estudo recente da Universidade da Flórida (UF), essa escolha pode influenciar a forma como você se expressa por escrito.

Os autores Yellowlees Douglas e Samantha Miller chegaram a essa conclusão ao analisar os hábitos de leitura e a escrita de alunos de MBA da universidade. Para ser aceito no curso de pós-graduação, todo candidato precisa escrever uma carta de apresentação – e esse foi um dos materiais escolhidos para a análise.

“[Para avaliar a escrita dos estudantes,] nós escolhemos sempre o segundo parágrafo de sua carta de apresentação, pois isso garantiu que estivessem escrevendo para audiências semelhantes e com os mesmos objetivos”, explicou Douglas ao site da UF.

Os parágrafos passaram por ferramentas que avaliaram a sua complexidade sintática e estrutura lexical. O mesmo foi feito com alguns dos textos que os estudantes disseram ter lido.

Resultado: aqueles que leram exclusivamente conteúdos online mais leves, como BuzzFeed, posts no Tumblr ou o Huffington Post, tiveram as pontuações mais baixas em complexidade de escrita, incluindo comprimento de frases e sofisticação na escolha de palavras.

Os que tiveram a maior pontuação foram os leitores de artigos de revistas acadêmicas ou livros de ficção aclamados pela crítica.

Segundo os autores, pode ser que isso aconteça devido a um efeito parecido com o que ocorre na comunicação oral: nós costumamos imitar aquilo que ouvimos ao nosso redor. Quem convive com pessoas que falam muito palavrão tende a usar mais essa linguagem, por exemplo. Da mesma forma, quem está em contato com um vocabulário e construções frasais mais complexos tende a usá-los em suas próprias composições.

Outra explicação é a de que o estudo talvez tenha detectado um fenômeno de disponibilidade linguística, em que as pessoas usam elementos captados em suas leituras para usar como base para a sua escrita.

De qualquer forma, a dica é selecionar bem suas leituras: “Tente ler algo bem escrito para ficar por dentro das notícias”, diz Douglas, que indicou veículos como The Economist e The New Yorker.

O estudo foi publicado no International Journal of Business Administration e pode ser visto na íntegra aqui.

Fonte: https://super.abril.com.br/blog/como-pessoas-funcionam/quer-escrever-melhor-leia-textos-complexos/

 

 

  

"Temos duas educações: uma para a elite e outra para o povo"

(Foto: Tania Rego/Agência Brasil)

Para especialista, escolas brasileiras são de má qualidade ou falham em educar integralmente, ensinando o pensamento crítico

Por Marcos de Aguiar Villas-Bôas
Da Carta Capital

Dora Incontri é jornalista pela Cásper Líbero, mestre, doutora e pós-doutora em Filosofia da Educação pela USP, sendo hoje uma das maiores autoridades do País na defesa de uma grande reforma da educação que considere o ser humano em sua integralidade, proposta baseada em autores como Comenius, Jean-Jacques Rousseau e Johann Heinrich Pestalozzi, objeto de suas pesquisas acadêmicas.

A sua proposta educacional, que vem procurando aplicar na Universidade Livre Pampédia, da qual é coordenadora geral, envolve, por exemplo, uma perspectiva interdisciplinar, o desenvolvimento da espiritualidade e a autonomia do ser

Você poderia falar um pouco sobre a Universidade Livre Pampédia e a influência de Comenius?

Dora Incontri: Comenius foi um educador e pensador visionário do século XVII, que pretendia uma educação universal, integral e plural. Tinha um projeto de paz mundial, foi o idealizador de um órgão internacional pela paz, portanto, um precursor da ONU, e queria também uma língua internacional. Zammenhof se inspirou nele para criar o Esperanto.

A Universidade Livre Pampédia se pretende um espaço alternativo de educação, em nível superior, cujo objetivo é favorecer vivências pedagógicas diferentes para adultos e ao mesmo tempo divulgar ideias de transformação pedagógica e social.

A integralidade e a interdisciplinaridade propostas por esse projeto de Universidade Livre é inspirada em Comenius; assim, também inclui a dimensão espiritual do ser humano. Ou ainda, inclui dar voz às diferentes correntes de pensamento – tradições espirituais diversas, vertentes filosóficas espiritualistas ou materialistas – num diálogo aberto e aprofundado.

As Universidades convencionais têm guetos ideológicos onde não se pode penetrar com ideias diferentes – o pesquisador é obrigado a direcionar suas produções dentro da camisa de força imposta pelo orientador, pelo departamento, pelo grupo a que o pesquisador pertence. Não há liberdade de pensamento e de produção. É tudo muito engessado e fechado. Por isso, a ideia de uma Universidade Livre.

Além disso, eu trabalho com formação de educadores há muitos anos e percebi que só a aprendizagem de teorias de uma educação diferente da tradicional não adianta. É preciso que as pessoas experimentem por si mesmas, como alunos-sujeitos, uma educação alternativa, para poderem praticar ideias novas. 

Como descobriu Comenius, quem dá, inclusive, nome à sua editora?

Quando estava fazendo minha dissertação de mestrado na USP, sobre o educador suíço Pestalozzi, pesquisei na Alemanha e na Suíça e me lembro que um professor da Universidade de Nurembergue me disse: “se você quiser entender Pestalozzi, leia Comenius.”

Eu nunca tinha ouvido falar de Comenius. E conforme fui lendo suas obras, fui ficando encantada com sua atualidade, com sua profundidade. Hoje, quando se fala brevemente em Comenius nas faculdades de Pedagogia no Brasil, costuma-se apresentá-lo, de modo superficial, como pai da didática.

No entanto, suas ideias são muito mais amplas e não se trata de um conceito reducionista de didática; envolvem um conceito de ser humano integral e integrado, uma concepção de educação universal e permanente, que deve realizar o ser humano em suas dimensões cognitivas, morais, políticas, afetivas, sociais e espirituais.

Ele apresenta também uma ideia de pansofia – que poderíamos traduzir como sabedoria de tudo, entendendo que tudo está conectado no universo e, portanto, temos que procurar desvendá-lo, interligando nossos instrumentos de interpretação do mundo: a razão, a observação, a revelação… portanto, a filosofia, a ciência, a espiritualidade. 

Diante da quantidade de informações existente hoje, seria realmente possível ensinar tudo a todos? Essa não seria uma bandeira mais bem aplicada quando Comenius viveu, período no qual a maior parte da população sequer era alfabetizada?

Ao contrário. Somente hoje, com a internet e a disponibilização aberta do conhecimento, é que se pode oferecer o acesso a esse "tudo" a que se referia Comenius. Quando ele propunha essa espécie de slogan, pensava na democratização do conhecimento e não que todos tivessem que saber tudo. Tinha muitas ideias interessantes a respeito, algumas das quais só são possíveis de realizar num mundo global, interconectado e virtual, como este em que vivemos.

Essas ideias estão no livro de sua autoria que, pela primeira vez publicamos no Brasil, em 2014, Pampédia. Uma obra-prima que, claro, têm seus contextos históricos, mas que também traz muitas propostas ainda atuais e necessárias. Temos um outro livro publicado pela Editora Comenius, de Luis Colombo, que trata dessa questão de como só o mundo virtual pode traduzir plenamente a ideia comeniana: Comenius, a Educação e o Ciberespaço.

Você entende que há uma linha de continuação em Comenius, Rousseau, Pestalozzi e Rivail? O que os une?

Eu defendi essa linha de descendência intelectual em minha tese de doutorado na USP – sobre Pedagogia Espírita – e ela não é de jeito nenhum arbitrária. É histórica, em primeiro lugar, porque Hippolyte Léon Denizard Rivail (depois Allan Kardec) estudou com Pestalozzi no castelo de Yverdon e foi mais tarde divulgador de sua pedagogia na França.

Pestalozzi, por sua vez, cita textualmente em suas obras sua dívida para com Comenius e Rousseau. Há várias ideias comuns que perpassam esses autores. Vou citar algumas: foram eles que firmaram, muito antes de Piaget, a concepção de que a criança é um ser em desenvolvimento e precisa ser observada e tratada como tal. Antes desses grandes educadores, as crianças eram consideradas adultos em miniatura.

Todos eles também encaravam a educação como instrumento de transformação social. Estavam preocupados com as injustiças sociais de suas respectivas épocas – como devemos estar também ainda hoje, porque, infelizmente, as injustiças continuam – e desejavam uma sociedade melhor.

Eles também enxergavam na educação um meio de viabilizar o projeto de um mundo mais igualitário e fraterno. Todos também propunham para isso uma educação diversa da tradicional, que vem sendo praticada até hoje, uma espécie de formatação do ser humano para a submissão e o trabalho no mercado.

Eles queriam uma educação em que a criança pudesse desenvolver suas potencialidades de maneira autônoma, integral, com liberdade e afeto. Comenius trata mais da integralidade. Pestalozzi e Rivail o seguem. Rousseau trabalha muito a ideia de liberdade e Pestalozzi foi o grande introdutor do afeto na educação. Ele próprio, amorosíssimo, fez do amor pedagógico um dos pilares de suas práticas. 

Considerando que o foco na experiência, e no desenvolvimento das faculdades naturais por meio dela, era um dos pilares da educação daqueles autores; a educação dogmática, teórica e abstrata do Brasil seria bastante contrária à proposta deles e um dos seus principais problemas?

Difícil dizer quais os principais problemas da educação no Brasil. Mas, pincemos alguns, que saltam à vista. Primeiro, desde a chegada dos portugueses aqui, sofremos de duas doenças crônicas:

1) não somos uma sociedade que valoriza a educação, por isso, não há investimentos, vontade, muita gente engajada em trabalhar por uma educação melhor…

2) temos duas educações: uma para a elite e outra para o povo, que permanece sem acesso a uma escola minimamente de qualidade. Esforços aqui e acolá, idealistas e militantes aqui e ali, mas, no grosso, temos uma elite educada em escolas razoáveis – apesar de que não formam integralmente, nem eticamente, nem com autonomia e pensamento crítico – e temos uma escola pública de má qualidade, porque não interessa aos poderes instituídos que a população aprenda a pensar.

Durante alguns períodos da história, houve uma escola pública melhor, quando a classe média a frequentava, mas estamos vivendo um momento sombrio em que o que restava de uma proposta de escola pública um pouco razoável está sendo desmontado por esse (des)governo, que chegou para deixar um marco escuro na história do Brasil. 

Isso, quanto aos aspectos políticos e sociais da educação brasileira, quanto aos métodos de ensino, quanto à maneira como é feita a escola, sejam as públicas, sejam as particulares, a quase totalidade delas está dentro do modelo tradicional, com lousas, carteiras enfileiradas, provas, notas, aulas desinteressantes e descontextualizadas de 50 minutos – escolas em geral feias, sem verde, sem liberdade de escolha, chatas e completamente fora do século XXI. Para, de fato, mudar o Brasil pela educação, temos que torná-la nossa prioridade, familiar, pessoal, coletiva, social, política e temos que reinventar a escola. E a escola tem que ser centrada no ser humano, no seu desenvolvimento, e não no conteúdo, no vestibular, no mercado…

Fonte:  http://www.carosamigos.com.br/index.php/cotidiano/10356-temos-duas-educacoes-uma-para-a-elite-e-outra-para-o-povo

 

 

Para especialistas, professores devem adotar a pesquisa como princípio pedagógico

 

O papel da pesquisa na formação dos professores foi discutido na sexta-feira, na Reunião Regional do Cariri, em Crato, CE. Os debatedores defenderam a valorização e, também, maior participação dos professores nos processos de definição de políticas educacionais. (Foto: Chico Gomes/SECITECE)

O papel da pesquisa na formação dos professores foi discutido na sexta-feira, na Reunião Regional do Cariri, em Crato, CE. Os debatedores defenderam a valorização e, também, maior participação dos professores nos processos de definição de políticas educacionais. (Foto: Chico Gomes/SECITECE)

 

O debate sobre a formação de professores e avaliação do ensino superior, realizado na sexta-feira, 5 de maio, durante a programação da Reunião Regional da SBPC no Cariri, foi um dos mais disputados pelo público – mais de 250 pessoas participaram da discussão. O interesse tem um bom motivo: com 17 cursos de licenciatura, a Universidade Regional do Cariri (URCA), no Ceará, é uma referência para a educação da região. Debateram o assunto Marcelo Câmara dos Santos, diretor de Formação de Professores da Educação Básica da Capes, Luiz Roberto Liza Curi, presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CNE), e José Fernandes de Lima, professor da Universidade Federal do Sergipe, e ex-presidente do CNE.

“A maioria dessa plateia está ligada aos cursos de formação de professores, de licenciatura”, ressaltou Lima. De acordo com ele, a questão da formação dos professores é um assunto recente, mas é um ponto crucial na cadeia de produção de conhecimento. “Sem investimento na formação, sem valorização dos professores, não vamos chegar a lugar nenhum”, afirmou.

Santos defendeu a utilização do método de pesquisa como instrumento de aprendizagem, para a produção do que ele chama “conhecimento descontextualizado”. “O objetivo é que o sujeito saia da escola com o conhecimento descontextualizado, capaz de mobilizar o conhecimento adquirido na escola para poder resolver os problemas diversos que surgem em seu dia-a-dia”, disse.

Concordando com Santos, Lima defende a adoção da pesquisa como princípio pedagógico e acrescentou que o professor pesquisador é capaz de criar métodos na interação com os alunos. A formação continuada, nesse sentido, segundo ressaltou, é fundamental, uma vez que o professor, continuadamente, e cada vez mais, se depara com novas tecnologias e novas realidades, que precisam ser incorporadas a suas atividades. “É preciso aprender como se faz ciência. As pessoas confundem muito o processo científico com o produto”, observou.

Curi, por sua vez, também defendeu a necessidade de se diversificar a prática do ensino, e, especialmente, os currículos nas diferentes instituições. O presidente do CNE discorreu sobre o papel da avaliação na expansão do ensino superior pelo País e sua importância na definição de políticas públicas. Segundo ele, é fundamental que exista um diálogo amplo entre quem faz as políticas públicas e os atores na ponta dessas políticas – professores, gestores de universidades. Esse diálogo contribuiria para avaliar de que maneira os currículos definidos contribuem para a permanência dos estudantes nos cursos – hoje, segundo demonstrou, dos  8 milhões de estudantes que se matriculam no ensino superior no País, apenas 1, 2 milhões concluem os cursos.

“Não há participação ativa dos atores na construção desses currículos. Os currículos são feitos por diretrizes, mas são todos iguais. E, daí, ninguém reconhece uma universidade por seu currículo”, observou, criticando que os currículos não são avaliados: “As avaliações são baseadas em fatores quantitativos, não se avalia a construção do conhecimento, nem mesmo a qualidade dos egressos”, afirmou Curi.

Daniela Klebis – Jornal da Ciência

Fonte:http://www.jornaldaciencia.org.br/para-especialistas-professores-devem-adotar-a-pesquisa-como-principio-pedagogico/

 

 

 

Resultado de imagem para SIMPOSIO DE GEOLOGIA EM PONTA GROSSA

 planeta02

topo